Robert Anning Bell, A bola de cristal

Não é todo dia que uma revista lança sua 50ª edição e números redondos costumam inspirar celebração, principalmente quando estes são múltiplos de 100. Superstições à parte, ao invés de focar no passado, a Revista Locaweb me pediu para lançar um olhar para o futuro.

Sem a mínima intenção de fazer futurologia, mas de analisar tendências, submeto aos leitores da Revista Locaweb, as minhas apostas para as próximas 50 edições:

  1. Será possível comprovar a Lei de Atwood: "tudo que puder ser escrito em Javascript, será eventualmente escrito em Javascript", escreveu o programador Jeff Atwood em seu blog. É surpreendente (e ao mesmo tempo excitante) vislumbrar como uma linguagem que foi concebida para ser embarcada nos browsers invadiu outras áreas da programação. Com Javascript, hoje, já é possível fazer coisas que eram inimagináveis há pouco tempo: sistemas backend assíncronos com Node.js, aplicativos desktop com Node-Webkit e apps móveis multiplataforma com o Apache Cordova. Além disso, projetos como o NodeOS, um sistema operacional que usa Node ao invés do Bash, provam que a Lei de Atwood está mais próxima de se tornar realidade do que você pode imaginar.

  2. APIs por todos os lados: quer saber o resultado do jogo do seu time de futebol, a previsão do tempo ou o preço do Bitcoin? Basta consultar uma API. Há APIs para os mais diversos fins. Não sabe por onde começar? O site Programmable Web lista hoje 12.566 APIs públicas indexadas pelo serviço. Mas o número deve ser muito maior, se levarmos em conta as APIs fechadas. Em tempos de big data, de nada adianta ter dados em mãos e não torná-los úteis para alguém; e a melhor forma de consumir dados através da web parece mesmo ser por meio de uma boa API. Junto a isso, será cada vez mais comum criar sites com frameworks frontend como Angular e Ember, que ao invés de receberem HTML do servidor, renderizam as páginas no cliente a partir de dados JSON recuperados de uma API.

  3. GO irá para o top 10 do índice Tiobe: se no momento da escrita deste artigo, a linguagem criada pelo Google ocupa a 46ª posição no índice de popularidade da Tiobe, no futuro, o cenário deve ser bem diferente. Além da enorme força de marketing por trás da empresa que o criou, o GO, de fato, se destaca entre as linguagens da nova geração. Desde o surgimento do C e C++, parecia que nenhuma outra linguagem compilada para código binário havia tido sucesso. Gerar código de máquina costuma garantir um ótimo desempenho, o que justifica parte do sucesso, mas a capacidade de trabalhar bem com múltiplas threads e a facilidade de utilização fazem da linguagem GO um competidor a altura do Java, principalmente no mercado corporativo.

  4. Bitcoin e outras criptomoedas passarão a ser algo muito mais comum do que se imagina. Parece que foi ontem, e realmente foi: o Bitcoin saiu do papel em 2008, para se tornar uma "pulga atrás da orelha" dos mercados e governos, em apenas cinco anos. Contudo, trata-se da tecnologia mais revolucionária desde o protocolo TCP/IP. Conhecido por ser o dinheiro da internet, trata-se, na verdade, da internet do dinheiro. É apenas uma questão de tempo para que o Bitcoin torne-se cada vez mais mainstream.

Texto publicado originalmente na Revista Locaweb #50